Pe. Germano Treier, o bom pastor de Ribeirão Claro

   No domingo 29 de julho, dia do Senhor, voltou para a Casa do Pai o Pe. Germano Treier, SAC, vigário paroquial da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, de Ribeirão Claro (PR).

   Padre Germano, filho de Hermann Treier, e Cecilia Kimmig Treier, nasceu em 16 de setembro de 1939, na cidade Nussbach-Orbkirch, Estado Banden-Wuertenberg, Alemanha. Concluiu seus estudos primários no ano 1945, Nussbach-Oberk e o secundário 1956 no Seminário Menor em Herberg. Em 01 de maio de 1960 fez o Noviciado e a Filosofia em 1961, em Untermerzbach. Cursou Teologia em 1963 em Schoenstatt e fez pastoral 1968 em Friedeberg.

   No 01 de maio de 1960 fez noviciado com 21 anos na cidade de Untermerzbach. Com 24 anos em 01 de maio de 1963 fez sua Primeira Profissão Religiosa. Em 1966 fez a Profissão Perpétua, com 27 anos, em Schoenstatt. Foi ordenado Diácono em 1966 em Schoenstatt, e em 16 de julho de 1967, com 28 anos, foi ordenado Sacerdote em Hochzoll-Augsbng.

Em 1969 chegou ao Brasil, em Cornélio Procópio. Em 22 de julho de 1971 foi acolhido na cidade de Ribeirão Claro onde residiu até seus últimos dias.
   Padre Germano Treier foi um grande homem, padre e pastor, confessor de tantas gerações de padres, religiosos e bispos, grande missionário palotino do Norte Pioneiro, incansável em seu ministério sacerdotal que viveu com tanto zelo e cuidado com o povo de Ribeirão Claro. O próprio padre dizia que desejava ficar em Ribeirão Claro até sua partida para a morada eterna.

   No dia 31 de dezembro de 2011 recebeu a condecoração do vaticano Crucis Pro Ecclesia Et Pontifice. A honraria Pro Ecclesia et Pontifice é a mais alta concedida pelo papa aos líderes religiosos que se destacam por sua atuação em favor da Igreja e assemelha-se ao título de Monsenhor para o Padre Diocesano. Também é conhecida como a "Cruz de Honra" e teve origem quando o Papa Leão 13 mandou confeccionar uma medalha em formato de cruz para homenagear pessoas que se destacavam pela atuação eclesial e testemunho cristão. Numa tradução livre o termo “Crucis Pro Ecclesia et Pontifice” significa “uma cruz como elo entre o papa e a igreja”.

   No dia 23 de junho de 2018 sofreu uma queda em seu quarto e fraturou o fêmur. Encaminhado para o Hospital Evangélico de Londrina, no dia 28, foi feita a operação e implantada uma haste no fêmur. Foi constatada uma queda nos batimentos cardíacos e tornou-se necessário implantar um marca-passo. Ao realizar uma tomografia ficou constatado um hematoma na cabeça, e por isso o religioso novamente foi submetido à outra cirurgia e retornou para a UTI. Adquiriu um grave quadro infeccioso, pneumonia, sendo necessária a permanência na unidade de terapia intensiva. No domingo, aos 78 anos, não resistiu às enfermidades e como bom filho à Casa do Pai retornou.

   O velório do padre Germano aconteceu na Paróquia Sagrado Coração de Jesus em Ribeirão Claro. Foram celebradas missas em sufrágio da sua páscoa eterna às 6h, 9h, e 12h e as 15h, presidida pelo Bispo Diocesano de Jacarezinho. Em seguida seu corpo foi transladado ao Cemitério Municipal de Ribeirão Claro para o sepultamento.

   Os fiéis de Ribeirão Claro e região, bem como o clero, acorreram como ovelhas ao encontro de seu pastor para o último adeus. O prefeito Municipal decretou feriado municipal na segunda-feira e luto oficial de três dias. A multidão se fez presente do lado de dentro e de fora da igreja, acompanhando o cortejo. Pe. Germano marcou uma cidade, gerações e corações. Foi para o povo de Ribeirão Claro aquilo a que cada presbítero é chamado a ser: imagem e semelhança do Bom Pastor. O bom pastor de Ribeirão Claro partiu, mas seu amor e ensinamentos ficam para sempre.

 

Pro fidelibus defunctis réquiem aeterna dona eis Domine, et lux perpetua luceat eis. Requiéscant in pace. Amen!

©2020. Palotinos. Província São Paulo Apóstolo.